Assessoria de imprensa para micros e pequenas empresas
As micros e pequenas empresas formam um dos setores econômicos mais importantes de qualquer país do mundo. Segundo dados do IBGE, elas representam 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, são responsáveis por 60% dos 94 milhões de empregos no país e constituem 99% dos cerca de 6 milhões de estabelecimentos formais do Brasil.
Apesar disso, têm uma “taxa de mortalidade” elevada, ou seja, muitas não sobrevivem aos primeiros anos de negócios. Diversos fatores explicam esse fenômeno, entre os quais a avaliação errada do mercado consumidor em que vão atuar e a falta de experiência do empreendedor.
Outro motivo, muitas vezes ignorado, é a ausência de uma estratégia de comunicação, que inclui, além de um plano de publicidade e marketing, o trabalho de uma assessoria de imprensa profissional. “O trabalho de um assessor de imprensa não substitui a publicidade ou o marketing e nem deve ser confundido com eles”, diz o jornalista Carlos Motta, que está lançando um serviço especialmente formatado para as micros e pequenas empresas. “Como qualquer outra companhia de grande porte, as micros e pequenas empresas devem dispor de uma assessoria de imprensa, pois é por meio dela que vão se relacionar com os órgãos de comunicação de uma maneira proativa, divulgando seus produtos e serviços”, diz ele.
O serviço formatado por Motta é adequado aos micros e pequenos empresários porque não tem custo mensal fixo – o cliente paga apenas o trabalho contratado, o que baixa radicalmente os custos e se encaixa em qualquer orçamento.
Os preços cobrados variam de acordo com o tipo de serviço. Um release, explica o jornalista, pode ser curto, mas ter exigido mais trabalho para ficar pronto que outro mais longo. “Tudo depende do assunto e das informações disponíveis. Cada caso é diferente do outro.” A mesma lógica se aplica aos outros serviços que ele presta. Mesmo assim, garante, o valor cobrado vai surpreender os interessados.
Carlos Motta atua na imprensa há 40 anos, 30 dos quais passados em redações paulistanas: trabalhou 18 anos no Estadão, como editor-assistente de Economia e editor de Esportes, e 9 anos no Valor Econômico, como editor-assistente de Brasil, entre outras publicações.

Contato: cramotta@gmail.com;
11-99649-2392