Bem-estar e corpo em forma com a dança que saiu das ruas

A dança saiu das ruas e, sem discriminar idade, chegou à academia. Com movimentos sincronizados de pernas, ombros, braços e cabeça, o street dance (dança de rua) trabalha ritmo e coordenação motora e proporciona ótimo condicionamento físico.
Dança de rua, atividade física para todas as idades.

A procura pelo estilo cresceu muito nos últimos anos: as aulas de street dance estão entre as mais concorridas, com alunos todas as idades, de crianças a jovens senhoras de 60 anos. Para muitos, a dança de rua é um estilo de vida; para outros, uma religião e, para outros tantos, uma prazerosa atividade física, que proporciona bem-estar e corpo em forma.

Movimentos sincronizados
estimulam coordenação motora

Para André Ramalho, professor do Studio Wellness (4522-7176), a dança de rua é antes de tudo uma arte, que apresenta muitos benefícios: desenvolve a coordenação motora e a criatividade, melhora a flexibilidade, aumenta a auto-estima e a auto-confiança. “A dança de rua trabalha corpo e mente”, diz ele.

Aula sem rotina, com coreografias diferentes em cada estilo.

E na dança de rua não há rotina – os estilos são muitos e as coreografias variam de música para música. B. boying, Breaking, Free Style, Popping, House e Locking são os estilos valorizados pelas músicas específicas para sua prática e pelos movimentos rápidos e fortes, que formam coreografias muitas vezes acrobáticas.

André: dança de rua é uma arte.

E, garante André, não é difícil aprender a dançar. “Na primeira aula o aluno já consegue fazer os movimentos e em dois meses já domina os movimentos básicos”, conta ele. “E o mais gostoso é ver como a dança de rua une as pessoas de todas as idades, que acabam formando uma família que se respeita e aprende que, dentro da dança, assim como na vida, um complementa o passo do outro”.

EM FAMÍLIA
Rosa tem 34 anos; sua filha, 10 anos; sua mãe, 62. E todas fazem dança de rua no Studio Wellness. “Sempre gostei de dançar e me encontrei na dança de rua” conta ela, que já faz apresentações junto com a filha. Unida, a família leva a dança aos jovens nas comunidades, mostrando a eles tudo o que a atividade oferece de bom.

Outra aluna da academia, Renata, 26 anos, dança junto com os três filhos, de 9, 8 e 5 anos de idade. “As crianças começaram a me acompanhar nas aulas e tomaram gosto. E levam a dança a sério”.

O professor André conta que a dança de rua entra no sangue de quem a pratica e não sai mais. Assim como aconteceu com Renata e seus filhos, Rosa e sua família, e todos aqueles que também fizeram da dança de rua sua atividade física predileta.